quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Faxina no Coração


                                                                                        
                                                                                                                Fernando Marin
                                                                                                            

Costumo dizer, que a lua exerce um especial poder sobre mim, o de me fazer sonhar, meditar, refletir. Aquela luz pálida, mas, ao mesmo tempo fulgurante, me trás   uma sensação  de paz , meditação,  exteriorização de sentimentos, a lua me faz abrir o coração.

Viajando sob o luar, observando a paisagem à minha volta, envolta naquela claridade surreal, passei a relembrar de vários fatos passados, coisas boas , outras, nem tanto, mas , todas coisas que me marcaram por algum motivo.

Isso me fez sentir o coração pesado, cansado. Depois de algumas décadas de vida, parece que o nosso coração não suporta mais o peso de tudo o que carregamos dentro dele. Eu o comparo ao hd de um computador, quanto mais cheio de informações, mais lento e “pesado’ ele se torna , necessitando de uma limpeza, para que volte a funcionar normalmente.

Por que não? Talvez uma faxina no coração o faça mais leve, traga de volta aquela alegria, aquele brilho no olhar, que há tempos não tenho mais. Sim, me decidi por uma limpeza no coração.

Comecei a vasculhar os “arquivos”, encontrei muitas “pastas’, com os mais variados nomes.

Uma das primeiras que encontrei, dizia “Alegrias”. Sim, muitas. A pasta estava cheia, momentos felizes, alegres, colecionamos muitos, no decorrer da nossa existência. Passei a olhar os itens que lá estavam, casamento, nascimento de  filhos, momentos diversos em que a alegria esteve presente.

Não, não há nada o que se retirar dessa pasta, tudo isso faz parte da minha vida, momentos importantes, companhia de pessoas queridas que já se foram, não, não há como se retirar nenhum item dessa pasta.

Passei para a próxima, “Tristezas”. Sim, aqui, com certeza encontrarei muitas coisas para “deletar”, para tornar o meu coração mais leve.

Explorando os arquivos, relembrei momentos muito tristes, perdas, decepções, mortes, coisas das quais nem mais me lembrava, mas, que também fazem parte da minha existência. Muitas dessas tristezas, foram muito importantes para o meu aprendizado, simplesmente excluí-las, causaria uma lacuna no meu processo de evolução como pessoa, não, sem chances.

A pasta seguinte, “Amores “, pesadíssima. Dentro dela, várias sub pastas, tais como, a “Amores do Passado”. Foi muito bom relembrar pessoas que passaram pela minha vida, em várias ocasiões, e que me marcaram muito. Relacionamentos que terminaram, mas , que deixaram algo de bom, mesmo que seja a mera lembrança. Pessoas que, ainda hoje, estão próximas, com quem tenho uma relação de amizade, de carinho, como excluir essa pasta? Não, “Amores” não pode ser excluída, todas as pessoas que lá estão, foram – e ainda são – muito queridas e importantes para mim.

Continuando, voltei a minha atenção para a próxima, “ Amizades”, ah , com certeza, daqui algo se pode deletar. Verifiquei a subpasta, “Amizades Desfeitas”.

Por diversos motivos, durante a nossa vida construímos amizades, porém, nem todas perduram. Os rigores da vida cotidiana, a dificuldade de relacionamento com o próximo, intolerâncias, falta de paciência, etc, acabam por causar perda de amigos. Essas perdas, são difíceis, doem muito, porém, são comuns. Verifiquei o conteúdo, e vi que eram poucos os ex amigos presentes lá, felizmente.

Porém, mesmo  se tratando de amizades desfeitas, não consegui excluir nenhum item dessa pasta. Os nomes que ali jaziam, eram de pessoas que,  um dia, foram queridas, fizeram parte da minha vida e que, por motivos, às vezes, tolos, se afastaram magoadas, ou, ainda, magoaram a mim e/ou a um dos meus.

Refleti muito, aqui. Talvez, uma palavra bem colocada, uma mudança de atitude, o perdão, talvez algo tivesse evitado aquela perda irreparável, que é a  da amizade de alguém. Quantas vezes, nas nossas vidas, a intolerância nos faz agir de forma a magoar, a ferir pessoas que nos são queridas ?

Não, não há nada a se retirar dali, aqueles nomes que lá estão, todos tiveram grande importância em momentos de minha vida, não há como excluí-los de lá.

Dando andamento à minha exploração, me deparo com “Amizades Proibidas”. Sim, há, no meu coração, uma pasta com esse nome. Abro a pasta, e vejo lá um nome muito querido e amado, pessoa da qual nunca poderia sequer pensar em um dia dela me afastar. Mas, por que essa pessoa  está inserida nessa pasta?

Há pessoas, amigos, que de tão queridos tratamos de maneira especial, o que desperta nas demais pessoas, sentimentos de desconfiança, totalmente injustos, mas, reais. É o caso de amizades entre pessoas de sexos diferentes, um tipo de amizade do qual muitos duvidam que exista. Sim, uma grande injustiça. Não escolhemos amigos pelo seu sexo, mas, sim, pelas afinidades,  pelo amor  que a eles devotamos - e recebemos. Infelizmente, a incompreensão muitas vezes nos leva a pensar que determinada amizade é proibida, pelos julgamentos e acusações que recebemos. Não, essa pasta é intocável.

Passeei por muitos outros “arquivos”, mas, não consegui excluir nenhum. Tudo o que havia neles, era importante, ou o foi, em algum momento de minha vida.

Mas, como “descarregar” o coração, se nada do que eu encontrei nele até agora pode ser excluído?

A resposta surgiu quando acessei o arquivo “Mágoas”. Esse sim, estava bem pesado. Mesmo quando não queremos, acabamos guardando mágoas, iras, mal entendidos por todo o caminho da nossa existência. Quando explorei esse “arquivo”, acabei por relembrar de vários fatos que me marcaram , alguns que pensei que já havia esquecido, mas que verifiquei que continuavam lá, mesmo inativos, causando dor e peso, sobrecarregando o meu cansado coração.

Ao rever cada caso ali guardado, constatei que já nem mesmo me lembrava da maioria deles, já não me causavam nenhuma emoção,  se encontravam cicatrizados. Sim, essa pasta eu posso e devo deletar, não mais carregarei o seu peso pelo resto da minha vida.

Excluir “Mágoas”, me fez sentir-me como novo. Tudo se tornou mais leve, minha alegria, aos poucos, está se reconstituindo. Passei a encarar a vida de uma maneira mais aberta ao diálogo, ao entendimento, ao perdão.

Sim, o perdão faz bem à saúde, já dizem os psicólogos, e, agora, creio nisso por conhecimento próprio.

Hoje, coração mais leve, não mais permitirei que mágoas se instalem nele. Seu peso é muito grande, não vale a pena carregá-lo. Quanto aos demais “arquivos”, há bastante espaço para eles, lá, o suficiente para toda a nossa vida.

O nosso coração é bem mais forte e resistente do que podemos imaginar., desde que não o carreguemos com pesos desnecessários e maléficos. O coração, criação perfeita de Deus, pode, sim, suportar tudo o que é realmente importante na nossa história. Aliás, se algo está guardado no coração, é porque foi realmente importante. Os acontecimentos usuais, não ficam gravados lá, esses, simplesmente passam.

Por isso, devemos cuidar muito bem do coração, centro dos nossos sentimentos e emoções, e, cuidar bem, significa ter uma vida sem mágoas, onde o perdão faz toda a diferença.

Experimente, também, faça essa faxina, e comprove os benefícios do perdão.

Fernando Marin

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Fernando!
    Analogia perfeita!
    Essa "faxina" emocional" é realmente necessária para seguirmos adiante sem a sensação que algo ficou mal resolvido. Entendendo que tudo o que nos aconteceu, contribuiu para a construção da pessoa que somos hoje.
    Faz-se necessário, lançar um olhar complacente aos nossos erros e escolhas inadequadas, pois mesmos essas, trouxeram a experiência e a lição que precisávamos.
    Concordo com você: deletar mesmo, somente a pasta das mágoas e limpar todas as outras com perdão ao próximo e a si mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcia
      Creio que você captou bem o que se passava no meu coração, quando redigi esse texto.

      Obrigado!

      Excluir
  3. Parabéns!

    Excelente texto!

    Vou tentar refletir alguns pontos!

    Deus continue te iluminando!

    abraço,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme.

      Sim, esse é o objetivo deste texto, nos fazer refletir, nos fazer evoluir como seres humanos, chegarmos um pouquinho mais perto da estatura de Cristo.

      O seu comentário me é muito importante.

      Obrigado.

      Abraço.

      Excluir