sábado, 30 de junho de 2012

Um dia a gente aprende que ...

   

 "Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma.

     E você aprende que amar não significa apoiar-se, que companhia nem sempre significa segurança, e começa a aprender que beijos não são contratos, e que presentes não são promessas. Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança; aprende a construir todas as suas estradas no hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em meio ao vão. Depois de um tempo você aprende que o sol queima se ficar exposto por muito tempo, e aprende que não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam ... aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso. Aprende que falar pode aliviar dores emocionais, e descobre que se leva anos para se construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida; aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias, e o que importa não é o que você tem na vida, e que bons amigos são a família que nos permitem escolher.

     Aprende que não temos que mudar de amigos se compreendemos que eles mudam; percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa, por isso sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vejamos. Aprende que as circunstâncias e os ambientes tem influência sobre nós, mas nós somos responsáveis por nós mesmos. Começa a aprender que não se deve compará-los com os outros, mas com o melhor que pode ser. Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que quer ser, e que o tempo é curto. Aprende que não importa onde já chegou, mas onde se está indo, mas se você não sabe para onde está indo qualquer lugar serve. Aprende que ou você controla seus atos ou eles o controlarão, e que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados.

     Aprende que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer, enfrentando as consequências. Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes a pessoa que você espera que o chute quando você cai é uma das poucas que o ajudam a levantar-se; aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas do que com quantos aniversários você celebrou; aprende que há mais dos seus pais em você do que você supunha; aprende que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são bobagens; poucas coisas ão tão humilhantes ... e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprende que quando se está com raiva se tem o direito de se estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel. Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você quer que ame não significa que esse alguém não o ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém; algumas vezes você tem que aprender a perdoar-se a si mesmo. Aprende que com a mesma severidade com que julga, você será em algum momento condenado.

     Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que se possa voltar para trás, portanto, plante seu jardim e decore sua alma ao invés de esperar que alguém lhe traga flores, e você aprende que realmente pode suportar... que realmente é forte e que pode ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. descobre que realmente a vida tem valor e que você tem valor  diante da vida! Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o bem que poderíamos conquistar, se não fosse o medo de tentar."

                                                                                               William Shakespeare

terça-feira, 26 de junho de 2012

Coração : Poesia de Vanessa Rodrigues


CORAÇÃO

Por que insistes em lembrar, coração,
Do que há tempos peço a ti para esquecer?
Tantas mágoas, receios, traições,
Muito peso na vida de um só ser.

Eu te imploro, não mais sangres em meu peito,
Pois há tempos que a vida não me importa.
Se tu pensas que meu choro é passageiro,
Conforma-te, pois me verás virar história.

Não te iludas: a esperança é traiçoeira.
Sei que ele nunca mais irá voltar,
Pois já refez sua vida em minha tristeza.
Ou me ouves ou então irás nos matar.

Não me culpes, coração, dessa desgraça.
O que fiz foi dar-nos pelo amor.
Sei que a mim pertence o corpo, a ti, a alma.
Fui castigada, pois ele nos enganou.

Coração, já é hora de aceitares:
Nossas vidas pertenciam ao mesmo ser.
Ou tu lutas junto de mim para recomeçar
Ou te escondas para sempre em meu sofrer.

(Vanessa Rodrigues)

Comendadora Vanessa Rodrigues - Escritora/Poetisa 
(Secretária Geral da ARTPOP -Academia de Artes de Cabo Frio)  


domingo, 24 de junho de 2012


                      
A Educação no Brasil


                                                                                                      Por: Austri Junior

A quantas anda a educação no Brasil? Essa é uma pergunta cuja resposta, por mais que tentemos otimizar, ainda assim encontraremos dificuldade em responder positivamente, tamanhas as dificuldades encontradas pelos professores, em sala de aula, para lecionar as suas disciplinas. As escolas estão sucateadas em todo o seu universo: salas de aulas, sala dos professores, material didático, dependências tais como banheiros, sala para educação especial, bibliotecas, refeitórios… Muito foi feito na educação no Brasil ultimamente, mas muito há que se fazer, pois a educação no Brasil ainda agoniza nas filas de espera em corredores sujos dos hospitais mal cuidados, à espera de uma mísera vaga na U.T.I.
O salário dos professores ainda é uma destoante e desafinada canção que ninguém consegue ouvir. Não é possível que em uma nação como o Brasil que gasta fortunas em desperdícios e em corrupção, não possa investir na educação para construir uma nação sadia e saudável. Investir na educação envolve melhores condições de aprendizagem para os alunos e melhores condições de trabalho para os professores – o que inclui não somente salários dignos, mas, capacitação e educação continuada, pois diga-se de passagem, existem educadores que precisam ser (re)educados, em todos os sentidos.
Não bastasse as dificuldades sócioeconômicas que encontramos nas escolas, ainda temos as questões relacionadas ao tráfico e uso de drogas – consequência direta das questões sociais mal resolvidas no país e da falta investimento em políticas públicas de qualidade – o que acarreta em  falta segurança nas escolas, que por sua vez faz vítimas entre alunos e professores. Se o estado não investe na sociedade, essa bomba vai explodir nas  escolas que é um barril de pólvora com o pavio aceso.
A escola tem as suas peculiaridades, e uma delas, tão importante quanto a disseminação de conhecimento, é ser uma instituição política, já disse o grande e inesquecível mestre, Paulo Freire, que com a sua “Pedagogia do Oprimido”, andou de braços dados com a “Teologia da Libertação”, um casamento perfeito que fez muito bem para a educação no Brasil, e se hoje temos a educação inclusiva nas escolas, e também a sócioeducação, foi graças à Paulo Freire e, à TdL (Teologia da Libertação), e aos movimentos estudantis e acadêmicos que abraçaram o movimento libertário denominado “Grito dos Excluídos.” É interessante dizer que a escola não avançou o quanto deveria, e hoje a escola exclui mais do que inclui, e isso passa pelo crivo da ignorância à cerca desses fatos relevantes que acabei de narrar, bem como aos interesses pessoais dos profissionais ali engajados -  que ajudam no retrocesso da caminhada da educação rumo à construção de cidadãos e cidadãs – quando ao invés de somar se dividem em facções, subtraindo a qualidade do ensino, da educação, do conhecimento e das inter-relações, multiplicando a decadência e o caos existente no ambiente escolar, que mais parece uma praça de guerra, muitas vezes com intensas e impensadas verborragias.

domingo, 17 de junho de 2012

A Web 2.0 e a Educação


A Web 2.0 e a Educação

O uso das tecnologias de informação na educação, ainda  é recente e limitado, em vista do que já existe de disponível hoje.

Os benefícios trazidos pela chamada nova geração da web, ainda são mais aplicados ao e-commerce  ou para as redes sociais, pouco se aplicando à educação e ao ensino à distância.

Ferramentas como os blogs, que permitem a qualquer pessoa com um mínimo de habilidade a publicar suas pesquisas, trabalhos, opiniões, tem uma ampla gama de aplicações no meio educacional, como importante instrumento de ganho de conhecimento. Servem, também, como excelentes plataformas para estimular o debate e a divulgação de assuntos dos mais diversos, de uma maneira simples e agradável, ao alcance da maioria das pessoas , hoje.

As wikis, postagens que permitem que seus usuários adicionem ou editem informações, podem ser transformadas em excelentes meios de compartilhamento de conhecimento entre grupos, sociabilizando a informação e visando a busca pelo saber, o que acaba por gerar um aprendizado mais dinâmico e eficaz, colocando o aprendente como principal personagem do seu próprio aprendizado. Assim, o aluno não mais é um ser passivo no seu desenvolvimento, mas um agente pensante, que vê nessas ferramentas uma grande oportunidade  de vir a formar e trocar conhecimentos.

Essas e outras ferramentas, quando bem utilizadas em conjunto, facilitam em muito a vida dos professores, que podem vir a ter uma melhor visualização da evolução do aprendizado de seus alunos, muitas vezes difíceis de serem avaliadas em sala de aula. Essas ferramentas  facilitam o acompanhamento do ensino, a detecção de eventuais dificuldades que um aluno possa estar enfrentando, demonstram a capacidade de elaboração de textos, de pesquisar sobre um determinado tema, expor a sua opinião e debater a de outros.

Claro que ainda há dificuldades para a implementação de novas metodologias utilizando as ferramentas da web 2.0. Os professores, precisam ser capacitados e preparados no assunto, aprendendo a explorar todo o potencial dessas novas tecnologias, para que elas venham a incrementar todo o processo educativo.

Quanto aos alunos, é necessário que se desprendam doa atuais métodos educacionais, onde são meros receptores de informação, e se adequem a uma nova metodologia,  participativa, onde eles precisam ser motivados para buscarem o conhecimento que leva ao aprendizado.

Fica aí o desafio, para que os professores passem a conhecer melhor as possibilidades e que consigam extrair delas  todo o potencial de que necessitam para aplicarem na evolução dos processos de ensino, explorando bem as ferramentas  (gratuitas), e criando novas estratégias que visem ao estímulo dos alunos, para que esses alcancem um desenvolvimento ideal no aprendizado.

J.Fernando Marin de Almeida

Referências:

Póvoa, M. (2007) O que é web 2.0 ? Webinsider, Disponível em http://webinsider.uol.com.br/2006/10/30/o-que-e-web-20, visitado em junho 2012.
Zanetti H., (2006), Por que não usar web 2.0 e redes sociais no ensino? em http://webinsider.uol.com.br/index.php/2006/12/07/james-della-valle, dez 2006,             acessado em 18 de junho de 2012



                       Web 2.0 - um desafio na educação?