quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Avenida Brasil X A Graça do Caminho - pra não dizer que não falei de novelas. Rev. José do Carmo - Zé do Egito



Não pude deixar de reproduzir esse belíssimo artigo do Rev. José do Carmo, para que todos pudessem ler e aprender com ele. Edificante!



Nas tramas da vida real se contrapondo a Avenida Brasil só há final feliz quando a graça e o amor de Deus gerando o arrependimento e o dar e pedir perdão triunfam no coração humano.

Uma reflexão sobre Avenida Brasil e a Graça do Caminho.

No afã de saciar o desejo humano de punir o mal e o mau, as novelas funcionam como uma válvula de escape, e acabam promovendo o mal. Elas oferecem um vilão pa
ra saciar a sanha do povão, a personagem Carminha, de Avenida Brasil, é a bola da vez.

Não sou de assistir novelas, mas confesso que dia desses estava em casa à noite e dei uma olhada em um capitulo da supracitada trama global. A cena era cheia de violência e ofensas. Pelo que vi, o enredo rola em torno de um casal, cujo marido, Tufão, um ex-jogador de futebol há muito era traído por Carminha, sua esposa, católica caridosa e que tem um esquema de desvio de dinheiro com um padre picareta, o qual aparece na trama de camisa preta com colarinho clerical.

Carminha levou o amante para morar dentro de casa, tendo um casal de filhos com ele, e ainda tendo o marido que sustentá-lo, pois o mesmo é marido de sua irmã. Com perdão da expressão a "cornaiada" é tanta que se um dia na casa do rico Tufão, chover argolas, não cairá uma sequer no chão. Se ele não tivesse abandonado o futebol a cada cabeceada na bola ou ela furava ou ficava presa na cabeça dele.

No dia que assisti, o ex-jogador tinha descoberto a traição e foi confrontar a esposa infiel. Refletindo sobre a cena que vi, pensei em quantos milhares de maridos outrora traídos ao assistirem a novela ficavam odiando em se identificar com Tufão, o marido traido dentro de sua própria casa. (não vou escrever corno para não escandalizar, embora o dicionário online de português entre outros significados da palavra "Corno" também traz: Pop. Marido cuja mulher lhe é infiel. (V. CORNUDO.) - Pôr cornos, ser infiel (ao cônjuge); cornear.)

Mas no dia que Carminha foi desmascarada muitos desses milhares de traídos/as anônimos/as se deliciaram e se viram nele. A revanche de Tufão, o vingador, que esbofeteava a cara de sua inescrupulosa esposa e a chamava de nomes aos quais não vou descrever aqu foi a realização do desejo contido de vingança de muitos/as traídos/as. Penso que, naquela hora, muitos homens e mulheres, às vezes até crentes, também se deliciavam e diziam em seus interiores: isso! Bate mesmo... Bate... Mulher adúltera tem mesmo é que apanhar na cara!..

Bom... Depois eu volto a esse assunto da novela, quero agora falar de: Uma história real de pecado, graça, amor, perdão e restauração.

Tive um jovem casal de amigos com quem possuía grande comunhão. Em dois mil e sete meu amigo perdeu a esposa, a qual morrera de câncer. Um ano depois, contrariando a lei da igreja dele, ele casou com uma mulher não convertida. Ela era simpatizante, mas não se batizou, alegando que não se sentia preparada.

Em 2010 fui visitá-los e durante um bate-papo, tomando tereré com o casal, estranhei quando ele pediu a ela para nos deixar a sós, pois precisava falar comigo. Ela saiu com o bebê no colo e disse que ia preparar um cafezinho, depois ia a padaria comprar pães. Continuamos no tereré, depois de um tempo, cabisbaixo ele falou tristemente, que não mais estava indo na igreja que frequentou por mais de 15 anos e na qual fora presbítero desde antes de ficar viúvo. Perguntei o motivo, ele disse que fora traído pela atual esposa, ela o fez por três vezes, e nas três ele a perdoou. Quando ocorrera pela terceira vez o pastor o chamou e disse que haveria uma reunião do presbitério, e que o assunto era sobre a vida dele. Na reunião, no ato de destituição dele do presbitério, o pastor disse a ele: "varão, você tem é que tomar atitude de homem, pois: perdoar uma vez é por amor, duas é por atitude cristã, mas três vezes já é incentivo a safadeza."

Segundo ele o pastor ainda lhe disse que ele deveria abandonar a mulher, pois ela tinha dado base para a separação ao ser infiel a ele. E que poderia buscar esposa entre as fieis da igreja local. Ele respondeu que havia perdoado ela, que a amava, e que também pensava no filho pequeno, por isso não iria abandoná-la. Na presença dos outros presbíteros, o pastor respondeu que ele não tinha que se preocupar com a criança, pois o filho provavelmente nem seria dele, uma vez que vivera quase dez anos com a primeira esposa e nunca tinham gerado filhos. Meu amigo disse que saiu do recinto de cabeça baixa e a medida que seguia pelo corredor ouvia risos...

Ali no quintal, assentados sob uma mangueira, o silêncio tomou conta de nós dois. Ambos ficamos olhando para o chão. Até que ele levantou a cabeça e com lágrimas a rolar pela face quebrou o silêncio e perguntou-me: Zé meu irmão, o que você acha?

Eu respondi a ele: - irmão a decisão é só sua, você é quem deve decidir, a igreja caberia o respeitar sua decisão. Deveria respeitá-lo se decidisse se separar, bem como na decisão que tomou de ficar com ela. Uma vez que você a perdoou restaria à igreja respeitá-lo e tentar ajudá-los na superação dos problemas...

Perguntei-lhe sobre a criança, ele disse que sabia não ser dele, pois no relacionamento anterior sempre soube que o estéril era ele, mas nunca falara nada na igreja, salvo ao pastor em um aconselhamento pastoral. Foi assim que descobriu a infidelidade da esposa, mas como sempre desejou ter um filho ele a perdoou e assumiu a criança, amando-a como se fosse filho legítimo. A tripla traição fora com um ex-namorado, quando confrontada, sua esposa disse que estava arrependida de verdade, e lhe implorou perdão. Ele a princípio saiu de casa, mas depois de uma luta muito grande com seu orgulho e raiva, os quais foram vencidos pelo amor e misericórdia decidiu perdoar a esposa e voltou para casa. Esperava que a igreja fosse entender... Mas...

Para superar o problema foram embora da cidade, procuraram outra Igreja. Seis meses atrás, conversando com meu amigo por telefone, soube que a família estava bem e felizes. Sua mulher se convertera e se batizou, segundo ele fora até batizada com o Espírito Santo. Ele estava bem, auxiliava o pastor e também pensava em ser pastor. Como dizem lá no ministério pentecostal deles, "estava a prova" para dois anos depois ser levantado pastor.

Quando ele contou sobre o desejo de ser pastor, pensei comigo, certamente será um grande pastor a frente de um ministério abundante no exercício de misericórdia, amar sem limites. Veio-me a mente as palavras bíblicas: “Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa do juízo.” Tiago 2:13. É pena que na Igreja nem sempre se viva isso, ainda que se pregue sobre isso.

Penso que a Igreja deveria imitar a graça, a Bíblia, uma vez que, no tocante ao mundo, sempre dizem que a vida imita a arte e novelas são artes imitando a vida. Pelos enredos das novelas globais, eu acho que ocorre o imitar da péssima arte, a arte da desgraça, e por isso elas estão imprimindo na mente de seus consumidores um péssimo estilo de vida.

Em relação à igreja, no caso de crentes que gostam de vingança, deixo os seguintes versículos: “Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira de Deus, porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor. Antes, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” Rm. 12. 19 a 21. E ainda: Se o teu irmão te ofender, repreende-o; e, se ele se e, se ele se arrepender, perdoa-lhe. Se te ofender sete vezes ao dia[1] e sete vezes te vier dizer: “Arrependo-me”, perdoa-lhe.(Lc 17,4).

Será que o ato de uma adúltera arrependida como a esposa de meu amigo, irmão e futuro pastor, não se enquadra nos versículos acima? Embora não seja membro da Rede, meu amigo acessa este blog, eu escrevo após ter recebido autorização dele e ter me comprometido em não citar seu nome, nem da esposa, filho, Igreja e pastor. Quis escrever pois, o caso dele foi um caso em que a vida matrimonial destruída pelo pecado foi tocada e infiltrada pela graça, razão pela qual o perdão e restauração ocorreram. Vemos nos jornais, revistas, programas policiais, casos e mais casos em que o traido mata o traidor, como a história de meu amigo fugiu a regra, quis contar a boa nova cheia de: graça, amor, perdão e restauração.

No caso de Avenida Brasil, bem que a arte poderia imitar a vida decaída, mas também apontar para a nova vida, a qual é possível em Cristo Jesus. Bem que, a Rede Globo, a qual anda flertando com os evangélicos poderia mostrar no final, uma cena que com certeza muitos homens e mulheres viveram no passado.

A megera da Carminha assentada em um banco de uma igreja e quando o pastor faz o apelo após pregar João 8. 1 a 11, ela tocada pela graça que existe para quem caiu em desgraça, se levanta, vai a frente, em lágrimas se converte sinceramente, pois fora tocada exatamente quando ouviu o versículo 11, no qual, Jesus disse a uma mulher acusada de adultério: VAI E NÃO PEQUES MAIS. Isso mostraria que, as margens da Avenida Brasil na qual superabunda a desgraça das mazelas consequentes do pecado humano, há portas simples, com porteiros/as pregadores/as, bispos e bispa, pastoras e pastores, irmãos e irmãs, apontando a Graça do Caminho para quem deseja por ele trilhar e recomeçar independente do que tenha vivido. Peço ao senhor que sobre cada uma dessas portas, os que se perderam nas avenidas do pecado, tanto o traido como o traidor passando em frente possa ver uma cruz e uma chama e ler em letras garrafais: IGREJA METODISTA - LUGAR DE MISERICÓRDIA E RESTAURAÇÃO.

Rev. José do Carmo da Silva - Mano Zé do Egito

Nenhum comentário:

Postar um comentário