sexta-feira, 5 de junho de 2015

Polêmica Cotidiana




Polêmica Cotidiana


Por: Fernando Marin




 Dia dos namorados chegando, e a grande discussão do momento é a publicidade de uma rede de perfumarias, que mostra namorados entregando presentes aos seus pares. O que choca a muitos é que esses pares são do mesmo sexo, casais homossexuais.

 Muitos sugerem um grande movimento de boicote aos produtos dessa rede, muito conhecida, outros se dizem indignados, outros, ao contrário, não se abalam, já se sentem acostumados com fatos assim e já os aceitam como normais.

 Sim, sabemos que a Bíblia condena o homossexualismo, embora Jesus nos deixe claro que devemos amar a todos da mesma maneira com que nos amamos a nós mesmos (Mateus 22,39 ).

 Aliás, a Bíblia condena os roubos, os assassinatos, o adultério, a bebedeira e outras coisas ruins mais. Está lá, em 1 Coríntios 6.9,10 ("Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais,   os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus".).

 Porém, o verso 10 deixa claro que “Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencer a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.” . Quer dizer, por meio de Jesus somos justificados e tomamos nossos lugares como filhos de Deus, na vida eterna.

 Assim, boicotes, choro, reclamações ou qualquer outro movimento que não a evangelização, a entrega do Evangelho para que aqueles que ainda não O conhecem, com certeza não serão capazes de reverter essa situação.

 Impor o evangelicalismo à força, por meio de boicotes ou coisas parecidas, não é a tarefa que Jesus nos determinou. Nossa missão é , palavras de Jesus , “Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo 28.20   e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos”.

 Nossa missão não é boicotar, reclamar, indignar. É levar a Palavra e fazer discípulos!

 Se fatos assim acontecem, é porque a Igreja, em muitos casos, não tem cumprido com a sua tarefa a contento, é porque ela se fechou em si mesma, como um clube social, onde as pessoas comparecem costumeiramente nas suas melhores roupas, participam juntas das celebrações, festas, jantares e se esquecem completamente das mazelas que acontecem do lado de fora, muitas vezes na porta dos templos.

 O Evangelho é para ser pregado e ... vivido!!!

 Termino citando João 13.34,35 “  Eu lhes dou este novo mandamento: amem uns aos outros. Assim como eu os amei, amem também uns aos outros. Se tiverem amor uns pelos outros, todos saberão que vocês são meus discípulos.”

 Julgar e condenar também são pecado ("Não julguem os outros para vocês não serem julgados por Deus. Porque Deus julgará vocês do mesmo modo que vocês julgarem os outros e usará com vocês a mesma medida que vocês usarem para medir os outros." Mateus 7.1,2 NTLH).

 Mais amor, mais evangelização, mais vida com Cristo, é isso que mudará situações como essas.


 O crescimento numérico dos muçulmanos no mundo


 Outra publicação que me chamou a atenção foi uma postagem em um grupo da internet de uma matéria publicada no Jornal Batista, baseada em uma matéria da Folha de São Paulo, de 2 de abril último.

 Nessa matéria, a Folha citava uma pesquisa do Pew Research Center que, analisando uma série de dados, informava da possibilidade de, em 2100, o número de muçulmanos vir a superar o de cristãos no mundo.

 O instituto de pesquisas norte americano afirma que as altas taxas de natalidade do povo islâmico ( 3.1 filhos por mulher) seriam as responsáveis pelo crescimento do islã, já que uma mulher cristã tem cerca de 2,7 filhos, e que essa taxa está em decréscimo.

 Assim, a sugestão do instituto, confirmada pelo autor do texto que li, é que o melhor método para o crescimento dos cristãos no mundo é ... a cama!! Sim, os cristãos deveriam, segundo o pastor que assina o texto, usar mais a cama como forma de aumentarem o número de filhos e, assim, fazer frente ao crescimento dos muçulmanos no planeta.

 Aí, não pude evitar um pensamento: estamos em disputa numérica com alguma outra religião?

 O pastor que escreve essa mensagem afirma que deveremos, nos púlpitos e em aconselhamento ,incentivar que os casais cristãos tenham mais filhos, e que deixem de lado a preocupação com as eventuais crises financeiras , que tenham fé que Deus proverá a educação e o sustento desses filhos.

 Não sei de onde o pastor em questão tirou essa ideia, eu até o respeito pelo ótimo trabalho que vem fazendo com as famílias, porém essa “disputa” religiosa não pode e nem deve ser ganha numericamente, mas sim através da qualidade.

 Qualidade de trabalho cristão! Evangelização, vida cristã, o cumprimento do ‘ide’ de Jesus.

 Esse pensamento de que filhos de cristãos também serão cristãos por sí só não significa incremento do número de seguidores de Cristo.

 Portanto, façamos aquilo que Jesus nos ordenou: saiamos pelo mundo pregando o Evangelho, batizando e fazendo discípulos.

 É assim que o povo cristão multiplica.

Fernando Marin

Nenhum comentário:

Postar um comentário