quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Teologia: A Igreja Primitiva






                                                                         
                                                                                               Por: Fernando Marin



É interessante ver muitos cristãos reivindicando para suas congregações status de "Igreja Primitiva". Porém, quando lemos com atenção o texto bíblico de Atos 2, versículos 42 a 47, vemos que a situação de hoje é muito diferente  daquela que havia  nos dias em que Jesus Cristo e os seus apóstolos caminhavam sobre a terra.

Aliás, passa longe disso. Pelo menos, é o que nos mostra o texto citado, que retrata de forma clara e objetiva o que era de verdade a primeira igreja cristã da história da humanidade.

Atos 2.42   E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.

Lemos que a igreja perseverava ( gr “proskartereo”) , quer dizer, estava constantemente atenta a, dava constante cuidado a algo. Perseverar é não desfalecer; mostrar-se corajoso para estar em constante prontidão para alguém, servir constantemente.

Perseveravam na doutrina (gr  “didache”). Tem o sentido de: ensino a respeito de algo; fazer uso do discurso como meio de ensinar. 

Quando a Bíblia usa este termo, obviamente quer se referir à Palavra de Deus, aos ensinamentos inspirados dos apóstolos, primeiramente transmitidos pela via oral e depois preservados no Novo Testamento. Temos várias passagens bíblicas que comprovam isso, por exemplo, na pregação de Pedro no dia de Pentecostes. Ele citou textos de Joel, Salmos e completou com o evangelho da salvação.  Foi mais do que suficiente para que quase três mil pessoas cressem e fossem salvas!

A Bíblia , em Romanos 10.17, diz claramente que "a fé vem pelo ouvir, e ouvir a Palavra de Deus". Isso implica que na igreja de Deus não há espaço para a pregação de outra coisa que não seja a Palavra. Hoje, a defesa da tradição invadiu muitas igrejas evangélicas, que  as defendem , mesmo que muitas vezes  elas sejam anti-bíblicas, para manterem seus usos e costumes. São as famosas doutrinas de homens.   Isso não existia na igreja primitiva.

O texto diz que "perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão".

O que é comunhão? “Koinonia”. Tem o sentido de: comunidade, participação conjunta, relação. Os primeiros cristãos sentiam o desejo de conviverem em comunidades, pois se achavam como peregrinos aqui e queriam compartilhar com os demais dos seus interesses comuns.

Cristo sempre ensinou sua igreja a andar unida.

Lemos em Eclesiastes 4.9-12 "Melhor é serem dois do que um (...), se um cair, o outro levanta seu companheiro. Mas ai do que estiver só, pois, caindo, não haverá quem o levante. Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão. O cordão de três dobras não se rompe tão depressa."

Atualmente, nem sempre se vê esse tipo de comportamento na igreja, o eu, o individualismo, muitas vezes se sobrepõem ao coletivo. Isso não existia na igreja primitiva.

Perseveravam no partir do pão. O pão era um alimento muito importante, na época, e era bastante consumido  nos “ágapes” (festas de amor e de comunhão), que normalmente aconteciam aos domingos, por ocasião da Santa Ceia.

O que Cristo demonstrou como sinal de integração se perdeu no tempo. Nosso Senhor gostava de ver as pessoas se alimentando, comendo juntas, e não só de alimento perecível, mas também da Palavra, do Pão vivo que desceu do céu ("Nem só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus." Mateus 4.4).

O partir do pão, algo tão corriqueiro na igreja de Jerusalém, nos dias de hoje perdeu parte do seu sentido, muitas vezes o que vemos são reuniões de pequenos grupos, não integrados entre si , quase que “panelinhas”, a comunhão verdadeira é algo raro de se encontrar. Ao final do culto , as pessoas se despedem e só se reencontram no domingo seguinte, uma situação bem diferente da que imperava nos primórdios da igreja.

O texto que abordamos continua, agora, no tocante à oração.  Infelizmente, até mesmo essa saudável e primordial prática cristã parece que caiu em desuso. Os cultos dedicados à oração são, em geral, os de menor participação nos dias atuais, com poucas pessoas partilhando seus pedidos e com poucas intercedendo pelos demais, num afastamento gritante do que se compreende através do texto de Atos.

Mesmo nos cultos dominicais, cada vez menos tempo é dedicado aos agradecimentos e pedidos a Deus, bem menos do que o tempo dedicado aos louvores, coreografias, teatros e demais atividades, essas, sim, estranhas à igreja primitiva.

É importante observarmos que essas práticas não eram ações esporádicas. O texto é claro em dizer que eles PERSEVERAVAM nisso tudo. E este foi sem dúvida o segredo de serem abençoados: PERSEVERAR ("Aquele que perseverar até o fim será salvo." Mateus 10.22).

Por tudo isso, o povo acabou por desenvolver um temor reverente, suas almas se encheram de espanto quando viam os prodígios ( milagres) e sinais ( milagres que transmitiam ensinamentos) que os apóstolos realizavam sob o poder do Espírito Santo.

Eles se reuniam com frequência, e “tinham tudo em comum”, através do amor de Deus que sentiam derramado em seus corações, não consideravam os bens materiais como exclusivamente seus, em caso de necessidade, esse bem era vendido e a sua renda era distribuída pelos que mais necessitavam.

Importante, também, é refletirmos sobre Atos 2.46 , onde lemos que "perseveravam unânimes TODOS OS DIAS no templo e nas suas casas”. Queremos imitar a igreja primitiva nos dias atuais, mas a grande maioria das pessoas só comparece aos cultos uma ou duas  vezes por semana , afirmando  que uma frequência maior do que essa é um exagero.

Existem agora, ainda, os chamados “desigrejados”, ou seja, milhares de cristãos que, por discordarem de muitos fatos que ocorrem nas congregações, preferem prestar seus cultos em casa, deixaram de frequentar os templos, se afastaram da comunhão por razões pessoais.

Diz ainda o texto, que o povo fazia as suas refeições diárias “ com alegria e singeleza de coração”, com a alegria da salvação influenciando todos os detalhes da vida diária, conferindo um ar de glória à todas as atividades do cotidiano.

No versículo 47, vemos que a igreja contava “com a simpatia de todo o povo”, já que essa forma alegre e confiante de vida, contagiava os demais, a ponto de muitos se converterem apenas pelo testemunho de vida daqueles cristãos.

Para eles, a vida tinha se tornado palco de louvor e gratidão a Deus, pela libertação do poder das trevas e pela possibilidade da participação no Reino .

"E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que iam sendo salvos."

Portanto, já que os cristãos primitivos perseveravam  todos os dias na doutrina, na comunhão, no partir do pão e nas orações, ou seja, a partir do momento em que a igreja vivia da maneira que agradava a Deus, Ele todos os dias acrescentava mais e mais pessoas ao grupo, abençoando e expandindo o número de salvos diariamente.

Já imaginou, todo dia Deus salvando pessoas através das nossas igrejas?

Quando agimos da forma bíblica, como foi recomendado por Jesus, Deus abençoa e opera poderosamente!

Creio que o texto bíblico de Atos 2 – 42 a 47, deveria nortear nossas atitudes cristãs no tocante ao nosso comportamento como igreja, já que ele nos revela a verdadeira vontade de Jesus em relação à sua noiva, tão maltratada, tão desfocada dos seus principais objetivos, tão usada por muitos que, por meio dela, procuram se projetar, enriquecer, enquanto observamos tantas e tantas pessoas próximas de nós que necessitam de atenção, de salvação, de cuidados que somente uma igreja comprometida com os seus fins pode oferecer.

Quando lemos essa passagem bíblica, percebemos quase que imediatamente, o quanto que a igreja de hoje se afastou da alegria, do vigor e da solidariedade que eram as suas características dos seus primeiros dias.

Será que Jesus está feliz conosco?

Fernando Marin


4 comentários:

  1. Boa tarde,Pr.Fernando Marin!Parabéns por este poste abençoador e muito exclarecedor.Uma grande realidade entre as linhas desta mensagem.O Senhor derrame sobre ti toda sorte de Bênçaõs!

    Abraços de:Falando em Amizade

    ResponderExcluir
  2. Falando em Amizade, amiga, muito obrigado pelas palavras abençoadoras e de estímulo!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. a Igreja primitiva tinha muito em comum, as nossas igrejas hoje tem muita coisa incomum, e muitas vezes naquilo que parece ser comum, ainda há discordância.Alias perdeu-se o sentido de Igreja em favor do sentido de instituição, perdeu o sentido da universalidade da Igreja, em favor do seu sentido local, provinciano e muitas vezes restrito a uma denominação. Que Deus nos guie nos trilhos da Igreja, da não da Igreja do Apostolo tal, nem do Bispo Fulano, mas da Sua Igreja Edificada sobre a Rocha.

    Samuel Rodrigues www.didaqueteologia.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Samuel
    É isso mesmo, costumo dizer que a igreja de hoje perdeu o seu foco.
    Seria necessária uma nova reforma?
    Abraço.

    ResponderExcluir