sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Teologia : Fé sem obras?



                         

                                                                                             Por: Fernando Marin



Uma reflexão no texto de Tiago 2, 14-26.

A preocupação de Tiago em escrever sobre esse assunto deveu-se ao fato de o cristianismo estar se tornando, para alguns (já naquela época) , um mero sentimento, apenas emoção. Isso também está ocorrendo em nossos dias: o mais importante é sentir, experimentar sensações e fazer afirmações de fé.

Tiago combate a ideia de que uma pessoa genuinamente convertida a Deus possa continuar sua vida como se nada tivesse acontecido. Ele insiste na necessidade de se viver a Palavra de Deus. E mostra, então, dois tipos de fé: uma útil e uma inútil.

Quando lemos o belo texto bíblico de Tiago capítulo 2, nos versos 14 a 26 , sem prestarmos a devida atenção a ele, podemos até mesmo entender que as boas obras são necessárias para que haja a Salvação. A falta de um cuidado na leitura dessa passagem, poderia nos levar a pensar que não bastaria apenas crer no Senhor Jesus como nosso Salvador, mas, seria necessário acrescentar a essa crença os nossos atos de bondade, de amor aos outros.

Mas, isso não é verdade.

A verdade é que as obras são a parte visível da nossa fé, ou seja, é a maneira pela qual conseguimos comprovar exteriormente a fé que sentimos no nosso interior.

As boas obras são feitas para agradar a Deus por amor e são as consequências da verdadeira fé, posta em prática.

“Verdadeira fé” . Mas, que fé é essa?

O versículo 14 tem a chave para compreendermos essa questão. Lá, Tiago nos pergunta: “Meus irmãos, que adianta alguém dizer que tem fé se ela não vier acompanhada de ações?”

Tiago se refere a uma pessoa que afirma ter fé, a alguém que diz que crê, mas, nada em sua vida pode comprovar essa fé.

E então, ele pergunta: “Será que essa fé pode salvá-lo?” quer dizer, será que esse tipo de fé salva? E ele continua, citando um caso de irmãos que não tem roupas, ou o que comer e alguém diz a eles,“vão, vistam-se e comam bem” , mas, não faz absolutamente nada para que eles tenham algo para vestir e para comer.

De que adiantam essas palavras? Palavras sem ações, são inúteis! E por isso ele diz que a fé sem obras não é fé verdadeira, mas apenas palavras.

Ele não nos diz que somos salvos pela fé acrescida de obras. Não, a Bíblia nos deixa bem claro que Cristo é o nosso único e suficiente salvador.

O que Tiago está nos dizendo é que somos salvos por uma fé que resulta em boas obras. As obras não são a essência da salvação, mas são o seu fruto!

Tiago está dizendo que se você é um Cristão, então é melhor que você manifeste algum tipo de obra adequada, caso contrário, sua fé é falsa. Esta opinião é confirmada em 1 João 2:4:”Aquele que diz: Eu o conheço e não guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade”.

O apóstolo Paulo nos informa que fomos criados para as boas obras (Efésios 2:10)“Pois foi Deus quem nos fez o que somos agora; em nossa união com Cristo Jesus, ele nos criou para que fizéssemos as boas obras que ele já havia preparado para nós.”

Tiago  continua afirmando que a fé verdadeira não pode ser separada das boas obras (vers. 18) , em um diálogo entre duas pessoas:  “Mostre-me que você tem fé, sem uma vida de boas obras!”

É impossível! A fé é invisível, não há como se comprovar a fé de alguém, se aquela pessoa não tiver uma vida que realmente seja fruto dessa fé.

E Tiago continua: ‘Eu, com as obras, lhe mostrarei a minha fé”!

Aqui, compreendemos bem que a fé professa por alguém, pode ser apenas palavras, se a vida dessa pessoa não for transformada, não envolver compromisso com Jesus.

Crer, até os demônios creem na existência de Deus, mas, não se sujeitam a Ele! Não há mudanças de pensamentos e nem de atitudes, portanto, não se trata de uma fé salvadora!

Quando alguém realmente crê em Jesus, isso cria um compromisso de corpo, alma e espírito, além de resultar em uma mudança de vida (2Co  5.17)   “Quem está unido com Cristo é uma nova pessoa; acabou-se o que era velho, e já chegou o que é novo.”

Então, entendemos que a fé sem obras, é apenas uma crença, uma religião e, portanto, “não vale nada” (v 20).

E, para ilustrar, Tiago nos apresenta dois personagens bíblicos conhecidos, Abraão e Raabe, como exemplos dessa fé operante.

Fala que Abraão foi justificado quando creu, quer dizer, pela fé e, mais tarde, ele demonstrou que essa fé era autêntica, quando se dispôs a sacrificar seu próprio e esperado filho Isaque, por obediência à Deus.

Por esse ato, ele deixou claro  que a sua fé não era apenas uma crença de palavras, mas, sim, de compromisso!

A fé e as obras são inseparáveis, a primeira produz a segunda e a segunda comprova a primeira. Quando Abraão ofereceu Isaque em sacrifício, foi uma demonstração prática da sua fé. Contudo, até que Abraão levantasse sua faca contra Isaque, em obediência, somente Deus conhecia a sua justiça. Ao fazer isso, Abraão demonstrou fisicamente sua confiança em Deus, tendo sido colocado em posição de comprovar a genuinidade de sua fé.

Ele foi justificado pela sua fé, mas foi chamado amigo de Deus pelas suas obras.

O segundo exemplo de Tiago, é Raabe, uma meretriz cananéia , de Jericó. Quando ela ouviu que um exército poderoso vinha sobre a cidade, e que não havia chances de vitória, ela creu em Deus, creu que o deus dos hebreus era o Deus verdadeiro, e não pensou nas consequências disso.

E comprovou essa fé quando ajudou os espias, acolhendo-os, apesar dos riscos que correria.

Tiago encerra esse assunto, dizendo que “Portanto, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem ações está morta.” (2.26)

É assim que ele resume todo o tema. Ele compara a fé ao corpo humano e, as obras, ao espírito, diz que o corpo sem o espírito, está morto .

De modo semelhante, a fé sem ações, também está morta! É ineficaz e imprestável! Não é uma fé verdadeira.

Muitos pensam que por serem bons, ajudarem os outros, contribuírem para instituições assistenciais, auxiliarem velhinhas a atravessarem a rua, dizerem a verdade, irem à igreja  todo domingo, estão salvos.

Porém, as palavras de Jesus são claras: "Nem todo aquele que me diz 'Senhor, Senhor' entrará no Reino dos Céus, mas aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus" (Mt. 7, 21).

E aí, eu pergunto: será que estamos praticando a vontade de Deus, como Abraão fez, por exemplo?

Estou disposto, como Raabe, a trair o mundo inteiro , para ser leal a Cristo? 

Tanto a fé como as obras procedem de Deus. A fé é dom de Deus. Não geramos a fé, nós a recebemos Dele.

As obras que praticamos são inspiradas pelo próprio Deus, pois é ele quem opera em nós tanto o querer quanto o realizar.

Fé e obras caminham de mãos dadas. Não estão em lados opostos, mas são parceiras. Ambas têm o mesmo objetivo, glorificar a Deus pela salvação.

Somos salvos pela fé e somos salvos para as obras.

Recebemos fé e fomos preparados para as obras. Não há merecimento na fé nem nas obras. Ambas vem de Deus.

O homem deve glorificar a Deus na terra através de suas obras, obras essas que partam do seu coração, que foi preenchido de fé pelo próprio Deus!

Podendo fazer o bem ao próximo, e não o fazendo, o homem peca contra Deus e não se justifica pela fé, visto que sua é fé é morta ao não produzir os frutos esperados, afinal, ninguém pode desprezar um irmão carente e continuar afirmando ser um seguidor de Cristo.

Aquele que possui bens materiais e vê o seu irmão em necessidade, fechando-lhe o coração, como pode habitar nele o amor de Cristo? Na 1 João 3:18, lemos: “Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade”. Esta não é a fé salvadora. Tiago fala de alguém que apenas afirma ter fé, mas nada faz para a demonstrar. Ele quebra o mandamento de amar  ao próximo como a si mesmo.

Tiago nos mostra que amor implica em prestação de serviço, auxílio, ação. Não adianta dizer “que Deus o abençoe” e nada fazer para auxiliar, estando em nosso alcance fazê-lo. Ajudar os necessitados não é algo para Deus fazer. É para os próprios crentes fazerem!

Devemos procurar falar menos e agir mais.

Fernando Marin 

“A fé estéril não é a fé salvadora  . A fé não é credal, mas é a operação do Espírito de Deus, feita no homem interior , mediante o que começa a ser  efetuada a transformação do crente segundo a imagem de Cristo”
Russell Norman Champlin

9 comentários:

  1. A fé verdadeira é incapaz de se calar diante das injustiças sociais, é uma fé que transforma a palavra e a filosofia da religião em uma ação eficaz. Nas palavras de Jesus... tive sede, tive fome...parabéns irmão pelo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodryguez
      Obrigado pelo seu comentário.
      Com certeza, a fé leva ao amor, e esse, às obras.
      Abraço.

      Excluir
  2. " O amor nao e apenas um slogam mas uma ATITUDE" Excelente sermao, Parabens!!! Pr. Adilson Almeida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pr Adilson

      Muito obrigado pelo seu comentário, meu irmão.

      Simplesmente, AME, não??

      Abraço.

      Excluir
  3. Que categoria meu irmão, renovo minhas esperanças em ver que existem pessoas que ainda pensam assim!
    Vejo nas Igrejas um descaso e um mal uso da PALAVRA.
    Tenho e visualizo uma IGREJA que além de suas atribuições normais seja como uma COOPERATIVA,
    Fazer um cadastro de cada membro e suas capacitações...
    Não haveria nem um membro que precisasse de algo tivesse que buscar fora.
    Assim, a casa organizada e forte poderia facilmente ajudar nossos FUTUROS IRMÃOS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evandro.

      Uma excelente ideia ! Tentei implantar isso, uma vez, mas, não consegui.

      Assim , todos conheceriam os talentos dos outros.

      Obrigado!

      Abraço.

      Excluir
  4. Excelente o seu texto, Fernando (como sempre). Parabéns, gostei muito!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Austri
      Sou eu quem agradece, afinal, você é o responsável por tudo isso, a partir do momento em que ofereceu o seu blog para que eu publicasse o que escrevo.
      Muito obrigado pelo seu incentivo!
      Abraço.

      Excluir
  5. Excelente texto Fernando, isso prova que a fé não pode ser egoísta, mas distributiva!

    ResponderExcluir