terça-feira, 6 de agosto de 2013

Uma questão de humildade





Uma Questão de Humildade

Por: Fernando Marin


   Uma das palavras mais ouvidas quando da visita do papa Francisco ao Brasil foi "humildade". Muitos observaram nele uma figura humilde, que carrega suas próprias malas, faz questão de ele mesmo pagar a sua conta de hotel, viaja em veículos simples, creio que esse foi o traço marcante que visualizamos no papa Francisco, e que em muito colaborou para a sua popularidade ímpar.

    Creio que o maior de todos os ensinamentos que Jesus nos deixou depois da sua breve passagem por este mundo, foi a humildade. O próprio Deus se fez carne, habitou entre nós e entregou a sua vida, numa morte estúpida e dolorosa, por amor a pecadores e imperfeitos.

    Mas, afinal, o que é "humildade"? Se buscarmos em um dicionário, verificaremos que essa palavra pode ser definida como “capacidade de reconhecer os seus próprios erros, defeitos ou limitações”; sinônimo de ‘modéstia".  O bispo anglicano, teólogo e escritor Jeremy Taylor, diz que:

     “Humildade não consiste em erigir cercas contra você mesmo, usar roupas de mendigo ou portar-se de forma suave e submissa. Consiste, porém em ter de si próprio uma avaliação sincera de que você realmente é mau e medíocre”.

    Quando buscamos na Bíblia, encontramos uma série de textos que engrandecem a humildade como característica principal do cristão, textos que afirmam a necessidade de sermos dependentes de Deus e não de nossos dons e talentos.

   Porém, muitos cristãos insistem em manter um estilo de vida independente e autossuficiente, e um exemplo clássico disso encontramos no texto de Mateus 17. 14 – 21, quando os próprios discípulos não conseguiram expulsar um demônio que atormentava a vida de um jovem, e foram advertidos por Jesus de que havia a necessidade de jejum e oração, ou seja, de se achegar mais a Deus, para que o poder do Espírito Santo possa operar através de seu povo.

    Olhando à nossa volta, hoje, percebemos que muitos cristãos estão perdendo o foco como igreja, deslocando esse foco para outras ações que não as preconizadas por Cristo, preocupando-se com a construção de templos suntuosos, festas e eventos grandiosos, programas de televisão caríssimos, shows ditos "gospels" de grande porte e por aí vai. Poucos são os que, como Jesus ensinou, priorizam o amor a Deus e ao seu próximo, como o Mestre estabeleceu como os maiores de todos os mandamentos.

    No chamado Sermão do Monte (Mateus capítulos 5 a 7), Cristo colocou a "humildade de espírito” como a primeira das bem aventuranças, salientando a necessidade de nos colocarmos na dependência total de Deus, para que possamos ter uma vida abençoada.  Ele falava frequentemente de humildade, e mostrava em sua vida de serviço o que significa elevar os outros acima de nós mesmos. O maior exemplo da importância que  Jesus dava à humildade, está em João 13, quando, na chamada Última Ceia, Ele lava os pés dos seus discípulos, atividade que, na época, era desempenhada pelo mais simples dos servos.

     Podemos tirar algumas conclusões claras e importantes do ensinamento da Bíblia, mostrando porque a falta de humildade nos afasta de Deus:

  •     Sem humildade, não serviremos aos outros como deveríamos, porque aqueles que são arrogantes e egoístas não querem servir, mas serem servidos.


  •     Sem humildade, não seremos discípulos. Os orgulhosos querem ser chefes e cobiçam a posição e a influência de outros.


  •     Sem humildade não buscaremos realmente a verdade. O homem orgulhoso pensa que já conhece todas as respostas, e não quer depender de quem quer que seja, nem mesmo do próprio Deus.


  •    Sem humildade, não reconhecemos nossos próprios defeitos. Somos até capazes de enganar nossos próprios corações para não vermos nosso próprio pecado. Saul fez isto quando defendeu sua desobediência na batalha contra os amalequitas. Ele argumentou que tinha obedecido ao Senhor e quem tinha errado não teria sido ele, mas o seu povo (1 Samuel 15:20-21).


  •      Sem humildade, temos dificuldade em aceitar a correção. Provérbios 15:31-33 mostra a consequência de tal orgulho:


Aquele que aceita a repreensão justa andará na companhia dos sábios. Quem rejeita conselhos prejudica a si mesmo, mas quem aceita a correção fica mais sábio. Quem teme o SENHOR está aprendendo a ser sábio; quem é humilde é respeitado.”

  •    Sem humildade, também não perdoamos o erro dos outros. O orgulho é egoísta, e nos torna facilmente ofendidos e lentos a perdoar. Jesus ensinou claramente que a pessoa que não perdoa não será perdoada por Deus (Mateus 6:,14-15).


Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no céu, também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem essas pessoas, o Pai de vocês também não perdoará as ofensas de vocês

   A segunda frase é muito clara. Se não aprendermos a sermos humildes, não entraremos na presença de Deus.

     São muitas as lições que aprendemos da Bíblia no tocante à humildade. Se nos dizemos cristãos temos de agir como tais. Sabemos da necessidade humana de sobressair, em se mostrar sábio, abençoado, ungido, ou seja, de querermos de alguma maneira sermos bem vistos pelos demais. Porém, as palavras de Jesus Cristo nos colocam em nosso devido lugar:

Mateus 23.12 “Quem se engrandece será humilhado, mas quem se humilha será engrandecido.

   Ainda em relação a esse tema, palavras de João Calvino:

...”Daí, não é difícil deduzir por que meio Adão atraiu sobre si a ira de Deus. De fato, Agostinho fala acertadamente quando declara que o orgulho foi o princípio de todos os males. Pois, se a ambição não tivesse elevado o homem acima do que era próprio e certo, ele poderia ter permanecido em seu estado original” (João Calvino).

  Ser cristão é viver a cada dia em busca da santificação, "sem a qual ninguém verá a Deus "(Hebreus 12.14).

Fernando Marin

Nenhum comentário:

Postar um comentário